DESENVOLVER AUTOESTIMA



A forma mais fácil e eficaz de desenvolver autoestima e autoconfiança é enfocar nas suas forças, no positivo. Existe um princípio espiritual de que o semelhante atrai o semelhante. Se você enfoca no positivo, atrairá o positivo. Se você chafurda no negativo, atrairá mais positivo.
Ninguém pode construir a casa sobre a areia e ela continuar de pé. Ninguém pode se sentir forte olhando para tudo o que perdeu, para os fracassos, doenças, derrotas, medos, inseguranças.
Para confiar em si, para gostar de si, você precisa se perguntar: o que tenho em mim de que posso gostar? em que posso confiar?
Se você quer construir a casa sobre a rocha, como na parábola de Cristo, você precisa de um alicerce sólido: suas forças. Suas realizações. Suas conquistas. Suas qualidades. Seus sonhos. Suas motivações. Seus valores.
Isso tem muito a ver com uma corrente nova da Psicologia, chamada Psicologia Positiva ou Psicologia das Forças. Está muito relacionada a identificar e otimizar as próprias aptidões, motivações, competências, a fim de alavancar a vida de forma integral, em todas as dimensões importantes: cognitiva, emocional, social, espiritual, financeira, corporal. Ou qualquer outro "ual" que você queira considerar importante.
O exercício aqui é você parar tudo, pegar um caderno ou um editor de textos e escrever com detalhes e profundidade todas as suas forças;
Se você quer ir para guerra, antes de conhecer o inimigo, tem que conhecer a si mesmo.
Tome notas de suas conquistas, as mais memoráveis. Seja no vestibular, seja numa partida de futebol, seja vencendo a timidez com a menina no colégio, seja apresentando um trabalho na faculdade, ou no primeiro emprego, ou aprendendo matemática, ou qualquer desafio que tenha superado. Faça um inventário completo de todas as suas conquistas, realizações, vitórias.
E se orgulhe delas. Sinta novamente a emoção da conquista, do bem estar, da felicidade de realizar. Volte sempre a essas memórias, são seu alimento da alma.
E continue a jornada rumo ao positivo.
Agora investigue orgulhosamente suas outras forças. Aquilo que sabe fazer bem. Aquilo que sabe fazer melhor que a média das pessoas. Seu diferencial no mundo.
Seja jogar gude, ping pong, hoquei, matemática, cantar, correr, andar de bike, fazer poesia, raciocínio espacial, lógico, verbal, cuidar de plantas. O que seja. Você sabe melhor do que ninguém o que faz bem...
Afinal, quais são seus talentos e aptidões?
Não economize na lista. Às vezes a baixa autoestima desvaloriza as próprias conquistas e as qualidades. NÃO SEJA MODESTO!
Se sua autoestima atrapalha sua autopercepção sobre suas forças, vamos apelar para outra estratégia; O jeito é se lembrar de tudo o que outras pessoas já elogiaram e já reconheceram você alguma vez na vida... 
Lembre do que disseram de positivo sobre você seus pais, seus professores, suas namoradas ou peguetes, seus amigos, conhecidos, desde que você era criança até hoje.
Preste atenção nas qualidades e traços pessoas em que você já foi elogiado (acreditando ou não nisso). Seja por ser um bom ouvinte, ou inteligente, dançar bem, ser romântico, ou alguém muito bom na cozinha ou com números, o que seja... preste atenção ao que as pessoas dizem bem de você.
Isso já te dará grandes pistas sobre suas forças, através do que as pessoas valorizam em você.
Agora vamos dar uma olhada em sua personalidade. O seu conjunto único de características que te diferenciam de outras pessoas. Um teste que recomendo é o eneagrama.
Tem um teste gratuito que recomendo. Ele ajuda a dar uma olhada boa no que tem de forte, e até já uma olhada nos desafios que ainda tem que superar na própria personalidade.
Um livro que especialmente recomendo é "Descubra seus Pontos Fortes", do Clifford e Buckingham. É um livro que defende a teoria de que, investindo na correção de suas fraquezas, de seus pontos fracos, você pode até evitar o fracasso, mas jamais alcançará a excelência.
Para estes autores, alcançar a excelência, o sucesso, depende de uma fórmula simples: identificar os seus talentos e características dominantes e depois, aliando às técnicas e conhecimentos, colocá-los para trabalhar.
De quebra, junto com o livro, você recebe um código exclusivo para fazer um teste em que pode descobrir seus principais talentos e aptidões.
Chegamos aqui à metade da estrada: construir o fundamento da sua autoestima, descobrindo seus pontos fortes.
No segundo artigo, vamos fazer uma jornada mais arriscada e sombria, mas promissora - mergulhar em nossas próprias sombras, a fim de extrair dela poder e transformação pessoal. Boa viagem.
2º artigo - Alquimize suas fraquezas.

Depois de termos conhecido a Cidade de Deus, a Nova Jerusalém das nossas forças, é hora de trilharmos a segunda parte de nossa viagem. Se você começar sua aventura pelo Reino das Sombras, irá se atolar na areia movediça.
Uma vez que se fortaleceu com o reconhecimento de suas próprias qualidades e aptidões, sua autoestima renovada poderá lhe preparar para reconhecer suas fraquezas. Mas não apenas aceita-las: usá-las a seu favor. Continue lendo...
A segunda etapa de nossa viagem é aceitar as próprias sombras. Se você começar olhando para as sombras, será como entrar na água sem saber nadar. Mas depois que conferiu suas forças, depois de se sentir confiante com o que tem de positivo em você, você pode trabalhar as suas fraquezas.
O primeiro passo é ACEITAR O NEGATIVO.
Está ok não ser perfeito, não acertar em tudo, ter aquele lado desajeitado, feio, que você tem vergonha. O exercício aqui é de aceitação e perdão.
Um átomo tem o positivo e o negativo. Um dia inteiro tem a noite e o dia. As emoções são positivas e negativas. Quem qualifica somos nós. Nada de errado em sentir raiva, frustração, tristeza. O problema é quando a gente se recusa a sentir e aceitar o negativo, e por rejeitar e reprimir, o negativo vira sombra, repressão, e volta como fantasma.
 Freud chamava esse fenômeno de "reprimir o negativo" como recalque ou de "retorno do reprimido". Quando você não aceita o negativo e o qualifica de ruim e o rejeita, ele vira sombra, assombração... E a sombra volta para assombrar você.
O segundo passo é enfrentar a sombra e aprender com ela.  
A sombra retorna para te perturbar de três formas: como projeção, idealização ou repetição. Pense que aquilo que você não resolve, que você rejeita em você, tem uma intenção positiva: ele quer que você resolva, que você enfrente o negativo e tire proveito dele.
Para enfrentar a sombra, você precisa reconhecê-la. E como ela aparece: Vamos explorar os principais mecanismos de aparição do negativo.
Projeção:  você projeta nos outros o que não aceita em você.
Repare em tudo o que te incomoda nos outros. É uma ótima dica sobre o que aquilo que você não aceita em você mesmo.
Se me incomoda tanto aquela pessoa que adora ser o centro da atenção, isso pode ser uma dica de um egocentrismo mal resolvido.
Ou por que você implica tanto com um traço de personalidade que considero negativo nos outros, como fofoca, autoritarismo, inveja, distração... provavelmente são traços meus que rejeitei e estou projetando nos outros...
A segunda forma de a sombra te atazanar é tentar compensar seu negativo com a idealização do seu oposto.
Se você se sente imoral, você passa a idealizar a moral. Se você tem problemas com mentiras, você idealiza a verdade. Se se sente fracassado, tenta ser perfeccionista para não enfrentar a sensação de fracasso.
Como se livrar da idealização? Aprendendo com o Pakuá taoísta que em todo positivo há o germen do negativo, e vice-versa. No final da noite, há o amanhecer, e no final do dia, a noite. Não há ninguém ou nada inteiramente bom ou mal, positivo ou negativo.
Outra forma é descobrir as crenças negativas por trás da idealização: por trás do perfeccionismo há a sensação de fracasso, por trás do moralismo um problema com a sensação de se sentir defeituoso, imoral.
Uma vez reconhecendo as crenças, é hora de questioná-las e reestruturá-las. Mas isso é matéria de outro artigo...
A terceira forma de o negativo de assombrar para ser resolvido é a Repetição.
A sombra mal resolvida sempre volta para te assombrar e puxar o pé de noite. Quando mais você teme e foge da sombra, mais a fortalece e a alimenta... 
Repare em tudo o que "ruim" que cisma em se repetir em sua vida, como uma ("bate na madeira...") maldição ou encosto.. 
A mania de arrumar sempre uma namorada ou namorado "encrenca", o "sem querer" se meter em fria ou de chegar atrasado em reuniões importantes, as sucessivas bancarrotas financeiras, se envolver em confusões, acidentes, vícios difíceis de se libertar... 
Perceba: no universo, tudo o que você não resolve se repete como uma recuperação de escola: só que nessa prova você não pode colar ou "dar um jeito".... Para acabar com a repetição, você precisa enfrentar a sombra, o fantasma e a assombração, e aprender com ela.
O terceiro passo é realizar a alquimia da sombra.
Não basta aceitar a sombra. Ninguém cresce só por constatar a sombra. Mas quando você aceita, você se torna inteiro. Yin e yang. Agora é hora de transformar a merda em combústível orgânico, de tirar bom proveito de um mau negócio. Chamo isso de alquimia da sombra.
Freud chamava essa alquimia da sombra de sublimação. Não dá para negar e rejeitar o ódio, o medo, a raiva, a fúria, o desejo sexual desenfreado, a agressividade. Não reprima. Aceite. É humano. É o outro lado da moeda. É o yin do yang. È emoção legítima.
O que fazer com essa emoção "negativa". Depois de reconhecê-la como legítima, o psicanalista austríaco Sigmund Freud sugere que usemos essa emoção negativa para construir algo que nos beneficie, e contribua para a melhoria da sociedade.
Tem vontade de matar os outros? Vá para a guerra. Gosta de sangue? Vire cirurgião. Tem atração pela morte? trabalhe com pacientes terminais, ou seja médico legista... Adora sexo? Vire um ator pornô ou ginecologista. É claro que estou caricaturando, mas esse é o princípio.
É claro que se você tem uma compulsão, é sinal de algo reprimido, que você tem que aprender a lidar. Mas você entendeu o princípio: aceite a sombra, acolha, inclua, sublime o negativo, use-o de forma a construir algo.
 Você sente raiva? Aceite-a. Não se apegue a ela. Ela passará como chegou. Use essa raiva para construir algo. Respire e misture a raiva com paciência. Apegar-se ao positivo pode ser tão destrutivo como apegar-se ao negativo.
Alquimia emocional: Misture a emoção negativa com a positiva correspondente. Para os chineses, as emoções estão ligadas aos órgãos e podem ser positivas e negativas.
A meditação da alquimia emocional, para os chineses, consiste em meditar visualizando cada órgão, sua cor correspondente, sentindo as emoções negativas associadas a ele, e misturando a essas emoções negativas a emoção positiva ou virtude correspondente. Você não nega a emoção negativa. Você a aceita e a neutraliza com a força das virtudes.
Assim:
Rins - cor azul. Elemento água. Imagem da Natureza: Oceano. Emoção positiva: Delicadeza e serenidade. Emoção Negativa: Medo
Fígado - Cor: verde esmeralda. Elemento: madeira. Parte da Natureza:  florestas. Emoção positiva - Bondade e Perdão. Emoção negativa:  Raiva e Ressentimento
Coração - Cor: vermelho sangue. Elemento: Fogo. Imagem da Natureza: Pôr do sol. Emoção positiva: Alegria e Amor. Emoção negativa: Ansiedade
Baço e Pâncreas - cor: amarelo ouro do sol do meio dia. Elemento: Terra. Imagem da natureza: sol do meio dia sem calor. Emoção positiva: Equilíbrio e serenidade. Emoção negativa: desequilíbrio,  preocupação e estresse
Pulmão - cor: branca nuvem. Imagem da natureza: altas montanhas. Emoção positiva : coragem. Emoção negativa: tristeza
Sugiro que faça diariamente a "meditação do sorriso interno" para aprender a lidar com as emoções nos órgãos. Segue um link para aprender essa meditação.
Um dos passos mais importantes da alquimia das emoções negativas étransformar a emoção no seu oposto.
Como faz isso? Aceite o negativo, e junte a ele o seu oposto positivo. Se sente raiva, sinta-a, aceite-a como legítima, não a negue, não se culpe, e junte a ela a bondade e a misericórdia.
Quando sentir raiva, pense na cor verde do fígado, aceite a raiva e junte a ela o perdão e a bondade. Não lute contra ela. A aceite e a neutralize com a virtude. Assim, você está alquimizando a raiva, e usando sua energia para equilibrar com as virtudes.
No final das contas, a autoestima está ligada a isso: aceitar-se por inteiro, pontos fortes e fraquezas, alavancar as próprias forças e o positivo e saber tirar bom partido das fraquezas e do negativo, de forma a viver uma vida plena, integral, inteira. 
 Seja inteiro!


Emerson Pacheco
Psicologo
emerson.pacheco1@gmail.com